terça-feira, 13 de novembro de 2012

Um acontecimento da vida de Shankara



O Shankara-Dig-Vijaya (“A Conquista do Mundo por Shankara”), hagiografia de Shankara, o grande mestre do Vedânta não-dualista, escrita no século XIV por Mâdhava, conta-nos outra história fascinante. Certo dia, diz a lenda, um kâpâlika de coração cruel aproximou-se do venerável Shankara, louvando-o como um verdadeiro adepto que realizara o Si Mesmo e implorando-lhe misericórdia. Shankara ouviu-o com o coração aberto, mas com sublime indiferença. O kâpâlika explicou que já vinha fazendo penitência havia cem anos para obter a graça de Shiva. Queria ascender com o corpo físico ao mundo celestial de Shiva, e este prometera atender-lhe o desejo se o asceta lhe oferecesse a cabeça de um rei ou de um sábio perfeito. Como não conseguira obter a cabeça de um rei, o kâpâlika pediu a de Shankara. Não errara em sua avaliação do adepto, pois Shankara concordou sem hesitar um só instante. Marcou uma hora e um lugar onde a transação poderia realizar-se sem que seus discípulos o soubessem, pois eles certamente tentariam impedir a decapitação. Na hora marcada, Shankara entrou em êxtase sem forma (nirvikalpa-samâdhi) e esperou pacientemente que a espada lhe cortasse o pescoço. O kâpâlika aproximou-se dele com os olhos vidrados pela embriaguez alcoólica. Ergueu o tridente para arrancar a cabeça do mestre. Nesse instante, Padmapâda, um dos principais discípulos de Shankara, viu com os olhos da alma o que estava para acontecer. Sem demora, invocou o nome da divindade de sua eleição, Nri-Simha*, a encarnação de Vishnu como Homem-Leão. Na mesma hora o discípulo fiel assumiu a forma leonina do deus, voou pelo céu e chegou ao esconderijo secreto. Quando o kâpâlika manejou o tridente, Padmapâda lançou-se sobre ele e abriu-lhe o peito com suas garras. Shankara voltou à consciência comum e, vendo diante de si o corpo mutilado do kâpâlika e a figura ensangüentada de Nri-Simha*, implorou ao deus que ocultasse o seu aspecto terrível e manifestasse, ao invés, a misericórdia. Padmapâda voltou então à consciência e à forma normais e imediatamente prostrou-se aos pés do mestre. Fonte: A Tradição do Yoga de Georg Feuerstein, Editora pensamento. * Nri-Simha = Nara-Simha (Homem-Leão), um dos 10 Avataras do Senhor Vishnu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário