segunda-feira, 23 de abril de 2018

refogado mix com molho especial

Receita Vegan
Ingredientes 
2 colheres de sopa de azeite 
1 dente de alho picado 
1 maço de espinafre (apenas as folhas) 
meio maço de couve rasgada 
1 pé de acelga rasgada

Ingredientes Molho
meia xícara de chá de azeite
meia colher de sopa de gergelim branco
meia colher de sopa de sal de ervas*
pimenta do reino a gosto

Modo de preparo:
Para o molho, em uma tigela, misture o azeite com o gergelim, o sal de ervas e a pimenta. Reserve. Em uma panela grande, aqueça o azeite e refogue o alho. Junte as folhas aos poucos e cozinhe até elas murcharem. Misture bem e retire do fogo. Sirva com o molho.
*Para fazer um bom sal de ervas, acrescente partes iguais de alecrim, manjericão, manjerona, orégano, cheiro-verde e sal comum em um liquidificador. Bata tudo e armazene em pote com tampa. As ervas podem ser do tipo desidratadas.

Alimente-se bem e pratique Yoga.






Se isto agregou valor para você curta e compartilhe. Que todos cuidem dos demais!

Eu posso responder isto? - Swami Sivananda

36. Quem é um homem justo?
Um homem justo é aquele que é puro em pensamento, palavra e ação e que observa Yama e Niyama ao pé da letra. Ele sempre se desvia de causa com ganhos insignificantes e fins egoístas. Ele é sempre piedoso, temente a Deus, auto centrado e altruísta. Ele tem visão cósmica e uma visão ampla. Ele é equânime e tolerante com todos. Ele é uma mina de todas as virtudes como caridade, nobreza, sinceridade, humildade, renúncia, serenidade, simplicidade e assim por diante. Nenhum egoísmo, luxúria, ganância, tolice, vaidade pode encontrar um lugar nele. O homem justo é sempre objeto de adoração de todos. Não haverá inimigos para ele, pois ele ama todos os amigos e inimigos igualmente.








Se isto agregou valor para você curta e compartilhe. Que todos cuidem dos demais!

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Eu posso responder isto? - Swami Sivananda

35. Que padrões devem ser adotados para medir a verdadeira grandeza?
A verdadeira grandeza do homem não é medida pela quantidade de riqueza nem pelo número de bangalôs que são ocupados pelo exercício da influência pessoal, mas pelo grau de abnegação, visão abrangente, generosidade, visões liberais, beneficência cósmica, abnegação, ausência de ego, natureza discreta, grau de percepção da unidade na diversidade, serviços humanitários, etc. Um homem verdadeiramente grande é piedoso, espiritualmente elevado, magnânimo e nobre de coração. Ele nunca pode ter um pensamento para si mesmo e ele prefere o bem-estar da humanidade deixando de lado todos os interesses mesquinhos, egoístas e pessoais. Ele sempre ora pelo bem da humanidade. Onde há um coração aberto, sem restrições, expansivo e grande, existe a verdadeira grandeza.








Se isto agregou valor para você curta e compartilhe. Que todos cuidem dos demais!

terça-feira, 10 de abril de 2018

Eu posso responder isto? - Swami Sivananda

34. Por que o homem não se lembra da morte e deixa imediatamente de atos pecaminosos? mantendo a transitoriedade da vida terrena em vista?
Todo homem não surgiu de repente como um homem. O Jiva, desde o primeiro início do mundo, continua a passar pelo ciclo de nascimentos e mortes, não em dezenas, centenas ou milhares, mas em lakhs. Ele realmente carrega consigo os Samskaras desde o seu nascimento até o nascimento atual, ou seja, sob gozo. Os Samskaras não aproveitados ou residuais continuam até que sejam completamente fritos em sua totalidade pelo Atma Jnana. O próprio esquecimento da morte pelo homem, embora você veja incontáveis ​​mortes diariamente, indica a ignorância que você desenvolveu nele para evitar ver o rosto da verdade. As experiências que ele adquiriu até agora, ou seja, até o momento da consideração, são bastante insuficientes para atrair sua atenção para a verdade eterna que é Deus. Um dia certamente surgirá na vida de cada indivíduo nesta terra, não necessariamente neste mesmo nascimento, quando ele irá, por algum raro mérito, através de Satsang com Mahatmas, devoção ao Guru, ou a graça de Deus, sintonizar-se ao Último por evolução gradual.








Se isto agregou valor para você curta e compartilhe. Que todos cuidem dos demais!

sexta-feira, 6 de abril de 2018

Yatninha - yoga para crianças

A princesa baixinha 
Era uma vez uma Princesa muito bonita mas que sofria imenso por ser baixinha. Era tão pequena que aos quatro anos parecia ter só dois e quando fez oito ninguém lhe dava mais de seis. Sempre que ia passear no seu lindo pônei as outras crianças troçavam: “É pequenina como um cogumelo e baixinha como a relva!”.Os jardineiros, esses, diziam que ela mais parecia um bonsai, que é uma daquelas árvores em miniatura.E ainda havia outros, mais maliciosos, que sussurravam: “É baixinha demais para ser uma verdadeira Princesa. As princesas a sério têm que ser altas e elegantes”.
Claro diziam tudo em voz baixa para ninguém ouvir. Mas ela ouviu-os na mesma e ficava triste.
Um dia a Princesa Catarina – pois era este o seu nome – foi visitar a rainha Avó, que além de ser rainha e avó, era também uma grande amiga.Enroscou-se no seu colo e perguntou-lhe: ”Por que é que eu sou tão baixinha? Por que é que todos fazem troça de mim?”. E a rainha Avó respondeu: “É porque eles não percebem nada de nada. O teu avô também era baixinho e fez coisas muito importantes”.“Que coisas?”. Perguntou ela. “Combateu contra os inimigos e por isso é que hoje vivemos em paz”.
“Então também quero fazer coisas importantes”,decidiu a Princesa. A Rainha Avó achou muito bem e preparou-lhe logo uma trouxa com coisas de que ela ia precisar para fazer uma viajem: um arco e uma flecha para o caso de encontrar um inimigo,uma moeda de ouro porque dá sempre jeito, um pente e um espelho para estar sempre bonita e três caramelos para o caso de se sentir triste.Ajeitou a coroa na cabeça da Princesinha, deu-lhe um beijo…
Depois atravessou três bosques, duas montanhas e um deserto, chegou a uma aldeia que vivia atormentada pelos ataques constantes de um dragão.
Os habitantes passavam a vida trancados em casa, cheiinhos de medo. Mas a Princesa não tinha medo dele, nem um só bocadinho!
“Tenho uma arma para derrotar o dragão. Vejam”, disse orgulhosa ao chefe da aldeia mostrando-lhe o arco e a flecha.Só que aquilo pareciam armas de brincar…“São tão pequenos!”, respondeu o chefe, desconsolado.“Isto é o que vocês pensam”, disse a Princesa convencida.
Pegou no arco e com as suas mãos pequeninas esticou-o como via fazer os arqueiros da rainha Avó.Sentia que as pessoas a observavam e murmuravam: “Ela é tão pequenina, não vai conseguir”.
Mas a Princesa não se deixou desencorajar. Subiu à montanha onde vivia o dragão e disparou a flecha que acertou em cheio na sua enorme barriga.
“Ai Ai! Isso dói!”, berrou o dragão. Então a princesa aproximou-se dele e ameaçou: “Esta flecha é pequena e por isso a tua dor é pequenina, mas se continuares a maltratar os meus amigos eu volto com uma muito maior!” o dragão fugiu a sete pés, decidido a nunca mais aparecer por ali. E os habitantes da aldeia gritaram em coro!” “Ah! Grande Princesa!”.
Toda satisfeita com a sua proeza, Catarina retomou viajem. Andou, andou e depois de atravessar mais três bosques, duas montanhas e um deserto, chegou a outra aldeia. Como tinha fome decidiu comprar um biscoito com a moeda de ouro mas ninguém tinha nada para comer. Até havia um padeiro mas ele não tinha farinha para fazer o pão.
“Bom, na verdade, até há muita farinha”, confessou o padeiro com voz triste,enquanto apontava para um monte de sacas muito bem atadas com fitas de seda.“Ninguém consegue abri-las. Um bruxo lançou-lhes um feitiço e agora é impossível desatar os nós”.“Talvez estejam muito apertados para as vossas mãos, mas para as minhas não”,respondeu a Princesa triunfante.
Trouxeram as sacas de farinha e, com os seus dedos pequeninos, Catarina desatou todos os nós. Agora o padeiro já podia fazer pão para toda a aldeia e claro, um grande biscoito para a Princesa que logo retribuiu com a moeda de ouro. Já de barriga cheia, os aldeões gritaram em peso: “Oh, Grande Princesa,deste de comer à aldeia inteira!”.
Toda inchada com a sua nova proeza, Catarina meteu pés ao caminho. Andou, andou e depois de atravessar três bosques, duas montanhas e um deserto, chegou a outra aldeia ameaçada por um bando de Condores.“Todos os dias, às três da tarde, voavam até á aldeia e devoravam tudo o que encontravam.Ninguém se atreve a ir expulsá-los lá da montanha”, contaram-lhes os habitantes. “Vou eu!”,decidiu a Princesa. “Mas com esse teu tamanhinho, como é que julgas que enfrentas os condores?”, duvidaram eles.
Ao chegar ao topo da montanha e ao encarar os condores, achou-os tão feios, mas tão feios mesmo, que teve logo uma ideia. Tirou do saco o espelho que tinha trazido e aproximou-se do chefe dos condores, o mais feio de todos. Curioso, o condor esticou o pescoço para ver o que a Princesa tinha na mão. Então olhou para a sua imagem refletida no espelho e, ao ver como era feioso, ficou tão assustado que desatou a voar. E os outros aceleraram atrás dele,jurando nunca mais voltar. A princesa ainda gozou: “Até metes medo a ti próprio, não é?”.
Mas, sozinha no topo da montanha, tão pequenina e com aquele mundo tão grande a seus pés,a Princesa sentiu-se um pouco perdida.Foi então que se lembrou dos caramelos que a Rainha Avó lhe tinha dado. Abriu o seu saco,tirou de lá um e comeu-o. era bom mas um só não chegava. Então tirou o segundo. Também era muito bom e muito doce mas ainda não era o suficiente. Então tirou o terceiro e enquanto chupava o caramelo, com o mundo tão vasto a seus pés, começou a sentir-se melhor.
Ajeitou a coroa na cabeça e voltou a partir. Desta vez… para casa.
“Ah, grande Princesa, que viva a nossa Princesa”.
De novo atravessou desertos, montanhas e bosques. Ao todo, três desertos, seis montanhas e nove bosques. E enquanto passava pelas aldeias que ajudara na sua viagem, não parava de ouvir:“Ah, Grande Princesa! Que viva a nossa Princesa!”.As felicitações viajavam no vento e depressa chegaram à corte da Rainha Avó.
Quando a Princesa entrou no castelo, foi recebida com gritos de alegria:“Viva a Grande Princesinha!”.“É mais valente do que 100 cavaleiros!”.
A uma das janelas do seu castelo, a Rainha Avó acenou-lhe, comovida.“É ainda mais corajosa do que o avô”, pensou para si própria. “Porque ir à guerra há muitos que têm de ir, mas ser grande e pequenina ao mesmo tempo, é coisa mais complicada de conseguir.









Se isto agregou valor para você curta e compartilhe. Que todos cuidem dos demais!

segunda-feira, 26 de março de 2018

Salada de Abacaxi e Feijão Preto


Receita Vegan
Ingredientes
1 xícara (165 g) de abacaxi fresco, cortado em pedaços pequenos
1/2 xícara (80 g) de pimentão vermelho cortado em cubos
1/2 xícara (80 g) de pimentão verde cortado em cubos
1 xícara (170 g) de milho-verde 
400 g de feijão preto, cozido e escorrido
1/4 xícara de cebolinhas picadas
2 pimentas-verdes, picadas
1/4 xícara (60 ml) de suco de laranja
1/2 colher (chá) de cominho em pó
Sal e pimenta-do-reino a gosto
Modo de preparo
Em uma vasilha grande, misture bem todos os ingredientes. Tampe a vasilha e deixe a salada na geladeira até a hora de servir.

Alimente-se bem e pratique Yoga.






Se isto agregou valor para você curta e compartilhe. Que todos cuidem dos demais!

Eu posso responder isto? - Swami Sivananda

32. Por que Deus criou o mundo?
Pergunte a Deus porque Ele criou este mundo! Alcance a sabedoria do Ser. Então você saberá porque Deus criou o mundo. Você não pode entender isso com o seu intelecto. Você pode entender isso apenas com intuição.
Por amor ao jogo, Deus criou o mundo. Lokavattu Lila Kaivalyam. A criação do mundo tem um propósito. Assim como não podemos ter um Sol sem raios, da mesma forma, não podemos ter Deus sem o processo do mundo. O mundo é como seus raios. É Sua Svabhava, natureza. Assim como um simulador produz algo e o faz desaparecer, também Deus produz esse mundo e o faz desaparecer. Deus é onipotente. Perguntar por que Ele criou o mundo é um Ati-prasna, uma questão transcendental. Nós estaremos apenas perdendo tempo discutindo isso. Antes de perguntar sobre o mundo, pergunte sobre você. Saiba quem você é. Então você saberá tudo.








Se isto agregou valor para você curta e compartilhe. Que todos cuidem dos demais!