quinta-feira, 4 de agosto de 2011

É difícil ser feliz?





Olho pra minha mãe e a vejo forte como uma pimenteira! Desde então tenho pensado sobre “resistência”. Esta força pela qual alguém ou alguma coisa reage a ação de outro. Sem violência, mas com a força própria de si. A maneira que recebemos os fatos, os processamos e continuamos. Já notaram como o pé de pimenta se recupera com facilidade? Há dias em que está caída. Um tantinho de água ela logo aviva. A vida da gente é assim, há momentos em que a energia está em baixa e um gesto simples de carinho nos coloca em pé. Se estivermos atentos, é só olhar em volta, reconheceremos as pessoas com espírito de pimenteira. Essa resistência, esse poder de se refazer é, sem dúvida, o ingrediente preciso para a felicidade. Resistir aos momentos que nos desagradam resulta em um estado superior que nos faz entender claramente o quanto é possível sermos felizes nessa vida. Isso também é escolha.
Lembro-me, quando menina, o que me fazia feliz era fugir de casa em dia de tempestade. Daquelas chuvas de verão com pingos grossos que marcam a pele. Minha avó acendia o ramo que guardava do Domingo de Ramos e rezava para que a chuva se espalhasse pelos quatro cantos da Terra. Eu aproveitava e fugia, não só eu, mas meus irmãos também. Voltávamos muitas horas depois, após ter corrido em toda enxurrada da cidade e nos lavado na calha do quintal da vizinha, que em meu imaginário parecia uma cachoeira. Ali eu era completamente feliz. Quando mais tarde entrei na escola, tinha a plena certeza que a felicidade de todo mundo vinha dali. Pelo menos estava ali, para quem a desejasse. Mas, olhando para minha vida como quem vê um filme, meu momento de suprema felicidade era descer, de bicicleta, a rua do Sr. Muibe. A toda velocidade sem segurar o guidão. Era meu desafio à vida. Eu vencia … Já faz muito tempo isso.
Eu sei, eu sei, você pode me dizer que ser feliz quando criança é fácil, difícil é escolher ser feliz com todos os problemas que criamos e que nos cercam quando adultos. Daí eu lhe pergunto, é difícil ser feliz? Mas, como ter da vida sem doar? Hoje percebo que a felicidade está por tudo. Naqueles momentos em que somos capazes de sorrir junto das pessoas queridas. Quando as lembranças são boas. Ou quando nos lembramos do que não foi tão bom com olhar de bondade. Certa vez, algum filósofo disse que a felicidade é a sensação que se tem de que a vida vale à pena. Sermos agraciados pela vida e perceber o quanto isso é valioso já é um grande motivo para sermos felizes. Isto só é possível agora. No presente. Ninguém nasce sabendo fazer isso, tem que praticar. A gentileza do dia a dia nos torna resistentes e nos prepara para receber a felicidade. Quero agradecer o carinho e aproveitar para desejar a todos, momentos verdadeiramente felizes junto aos seus. Que essa sensação se multiplique e se espalhe por todos os lugares. Que nossa presença seja, sempre, veículo para bons momentos. Que todos os encontros sejam como água para pimenteira. Que eles nos revigorem e nos mantenham resistentes em nossos caminhos.
Yatna, seja bom!


Nenhum comentário:

Postar um comentário